6 de jul de 2013

Jadot torna meus dias mais felizes

Ciro Lilla e Olivier Masmondet 

Em Setembro do ano passado tive o prazer de conhecer  Pierre Gagey atual CEO da Jadot em uma noite memorável quando provamos algumas preciosidades como um Corton Pougets Grand Cru 1976, Beaune Clos des Couchereaux 1979, Nuits Saint Georges 1er Cru Clos Corvées 1991, Nuits Saint Georges 1er Cru Les Cras 1997, Corton Charlemagne GC 1999, Meursault 1er Cru Blagny 1989. Nesta semana fiquei muito feliz ao receber um novo convite de jantar do Ciro Lilla para recepcionar Olivier Masmondet Export Manager da Maison Louis Jadot. Olivier surpreendeu a todos pelo conhecimento técnico sobre vinhos e das caracteristicas dentro das diversas appelations da Borgonha, digo isto pois normalmente quando este tipo de profissional faz suas apresentaçãoes as mesmas são bastante superficiais e poderia até dizer sem conteudo, mas este não foi o caso  desta ocasião pois Olivier alem de demonstrar ser uma pessoa extremamente apaixonada e estudiosa anteriormente  foi sommelier de restaurantes de renome na França o que certamente lhe deu uma vantágem extra se comparado aos profissionais dos quais se cobram apenas volume de vendas e boas margens. 

A Maison Louis Jadot é uma das mais tradicionais vinicolas da França tendo iniciado suas atividades em 1859 ainda que os primeiros passos tenham sido dados um pouco antes , em 1826  quando a família adquiriu o vinhedo Premier Cru , o Clos des Ursules. Uma coisa que sempre me chamou a atenção nas apresentações que já assisti desta vinícola e que uma de suas diretivas é “ The winemaker is not the star, the terroir is” acho que isto ajuda a entender um pouco o estilo de vinho desta casa.
Neste encontro nosso prazer foi alimentado por um  line up de vinhos que descreverei a seguir : 
Bougogne Counvents Jacobins Blanc 2010 -

Corton Charlemagne Grand Cru 2004 – Varietal 100% Chardonnay com 13,5% de álcool, fermentado em barricas e maturado por 18 meses em barricas francesas. - R$ 876,00 – Dourado , brilhante. No  nariz,  muito complexo, mineral, frutas brancas maduras, maça cozida, abacaxi maduro, ligeiro toque de evolução, ponta cítrica, e tostado leve e muito bem integrado no pacote olfativo. Na boca , perfeito, sedoso, corpo médio para amplo, amanteigado, final de boca fresco, frutado e muito vívido. Um verdadeiro Corton Charlemagne no início de seu auge , para mim o melhor vinho da noite. Nota 94/100





Moulin a Vent Clos de Rochegrès Chateau des Jacques 2008 – Varietal 100% Gamay  com passagem de 10 meses em barricas novas francesas. R$ 220,00 – Rubi indo para granada,leve halo de evolução. No nariz cereja azeda, tostado, resinoso, com toques terrosos. Na boca, ótima acidez, taninos presentes ainda adstringentes, bom corpo, final de boca frutado e gastronômico. Grande Beaujolais me atrevo a dizer que passaria fácil fácil por um Borgogne, talvés a safra 2008 tenha ajudado por ter sido caracterizada por taninos mais marcados . Nota 89/100






Beaune Clos des Ursules Les Vignes Frenches 2010 – Varietal 100% Pinot Noir com 13,5% de álcool e passagem de 18 meses em barril frances. – R$ 720,00 - Violáceo, ralo , sem halo.  Austero, cereja azeda, couro, terroso, e toque resinoso. Na boca, ótima acidez, taninos ainda não resolvidos, delicado, suculento, retrogos bem frutado. Defininitivamente um grande vinho que precisa descansar pelo menos uns 8 a 10 anos em garrafa para atingir seu ápice, já mostra potencial de guarda pela sua ótima acidez e presença de taninos finos, 2010 uma safra clássica . Nota 91/100





Gervrey Chambertin 1er Cru Les Cazetiers 2009 – Varietal 100% Pinot Noir com 13,5% de álcool, e passagem de 15 meses em barril frances . – R$ 480,00 -  Rubi, ralo, sem halo. Frutas negras maduras, violetas, mineral, presença de terrosos, terciarios e alcaçuz. Na boca ótima acidez, mais estruturado, rico, austero, taninos finos firmes, bom corpo, longo, retrogosto fresco com frutas negras e café. Um vinhaço, para os apreciadores de vinhos mais austeros, meu estilo de vinho . Nota 93/100






Vosne- Romanee 1er Cru Les Beaux Monts 2006 – Varietal 100% Pinot Noir, com 13,5% de álcool, e passagem de 15 meses em barricas francesas. – R$ 580,00 – Granada, ralo, halo intenso. Olfativamente floral, rosas, cereja no licor, couro,e mineral. Na boca perfeito, tripe correto, delicado , corpo médio, final de boca macio,  retrogosto floral . Um vinho pronto e muito fácil de beber , o que muitos chamam de um vinho feminino.  Nota 93/100






Corton Grèves Grand Crú 2006 - Varietal 100% Pinot Noir, com 13,5% de álcool, e passagem de 20 meses em barricas francesas. – R$ 460,00 – Rubi, média concentração, brilhante, leve halo. Olfativamente mais fechado, trazendo cereja azeda, mineral, pedra molhada, e toque vinoso, e alcaçuz. Na boca potente, boa acidez, taninos ainda adstringentes,encorpado, retrogosto frutado e resinoso. Um vinho de grande potencia completamente fora de sua janela de consumo, da-lhe uns 10 anos de garrafa. Nota 90/100






Mistral – Site www.mistral.com.br – Fone (011) 3372.3400

Nenhum comentário:

Postar um comentário