19 de out de 2012

Do Piemonte para o Chile – Santa Ema


Andrés Sanhueza
 

A familha Pavone chegou ao Chile em 1917 trazendo consigo algumas variedades européias que foram plantadas no Vale de Maipo e Cachapoal, em 1956 Felix Pavone engarrafa o primeiro vinho em sua vinícola na Ilha de Maipo, assim começa a historia da Santa Ema no cenário do vinho chileno. Apenas em 1986 inicia suas exportações que teve o Brasil como seu primeiro mercado alvo, hoje a emprêsa exporta sua extensa carta de vinhos para países de todo o mundo sendo aqui representada pela importadora Vinoteca. Ontem tive a satisfação de participar de concorrida apresentação de seus vinhos que esteve a cargo de Andrés Sanhueza chief winemaker da casa que esta por aqui visitando clientes em varios estados brasileiros. O ponto alto da noite foi certamente a vertical com as únicas 4 safras do Rivalta, vinho ícone da emprêsa ( 2003, 2005, 2007, e 2008) que descrevo a seguir:

Rivalta 2003 – Corte de Carmenére 64%, Cabernet Sauvignon 28%,e Syrah 8%. Com 20 meses de envelhecimento em barricas francesas de primeiro uso e um ano de garrafa, 14,5% de álcool. Rubi, alta concentração, halo de evolução. Olfativamente já amadurecido, frutas evoluidas, couro, tabaco, e menta. Na boca, boa acidez, taninos resolvidos, suculento, corpo e persistência longa com final de boca apresentando frutas evoluidas já um pouco cansadas. Vinho no final de seu apice. Nota 88+/100

Rivalta 2005 – Corte de Carmenére 69%, Cabernet Sauvignon 27%,e Syrah 4%. Com 20 meses de envelhecimento em barricas francesas de primeiro uso e um ano de garrafa, 14,5% de álcool. Rubi, com toques violáceos,alta concentração, sem halo de evolução. No nariz, fechado, limpo, floral , cerejas, toque de chocolate amargo, e ligeira menta. Na boca, ótima  acidez, taninos firmes e finos, elegante, corpo médio e final de boca fresco com frutas negras e toque mentolado. Vinho altamente gastronômico, de bastante elegância. Nota 90/100

Rivalta 2007 – Corte de Carmenére 72%, Cabernet Sauvignon 16%,e Syrah 12%. Com 20 meses de envelhecimento em barricas francesas de primeiro uso e um ano de garrafa, 14,5% de álcool. Violáceo, alta concentração, sem halo. Olfativamente marcado por muita fruta, cereja, cassis, vegetal mais intenso, e tostado agradável. Na boca, boa acidez, taninos presentes, ligeiramente alcoolico, encorpado , final de boca frutado com ligeiro amargor. Vinho mais estruturado, dentro do padrão chileno dos últimos anos. Nota 88/100

Rivalta 2008 – Corte de Carmenére 47%, Carignan 20%, Cabernet Sauvignon 18%,e Syrah 15%. Com 20 meses de envelhecimento em barricas francesas de primeiro uso e um ano de garrafa, 14,5% de álcool. Violáceo, média concentração,sem  halo. Olfativamente marcado por baunilha, noz moscada, chocolate, geleia de frutas vermelhas. Na boca, tripé correto, leve , sedoso, delicado, com final de boca muito frutado e ligeiro final adocicado. Vinho bem elaborado fácil de beber, para quem gosta de fruta mais doce. Nota 88+/100

O Rivalta 2007 pode ser encontrado nas enotecas entre R$ 250 e 280 reais a garrafa, a safra 2008 já está a caminho.

Durante o jantar também fomos servidos com os brancos : Amplus Sauvignon Blanc do Vale de Leyda , do Chardonnay Gran Reserva do Vale de Casablanca, e do Amplus Carignan do Vale de Cachapoal. Ficando meu destaque para o Amplus Sauvignon Blanc , um vinho muito fresco, limpo, marcado por mineralidade e aroma de limão siciliano, que pode ser encontrado no mercado por R$ 60,00 a garrafa.

Vinoteca Brasil – Fone (041) 3373-3444 – Site www.vinoteca.com.br

Santa Ema – Site www.santaema.cl

Nenhum comentário:

Postar um comentário