26 de fev de 2017

Tintos maduros uma decisão difícil



 
Gostar de vinho tinto é muito prazeroso, mas achar o tempo certo de cada vinho é uma arte que, admito, pouca gente tem condições de fazer  pela  complicada relação dinheiro/tempo. Normalmente todos começam a tomar vinhos jovens, pois são estes os que encontramos no mercado brasileiro, diferentemente da Europa, onde importadoras, restaurantes  e enotecas tem o costume  de fazer guarda de vinhos para os consumidores mais exigentes. O problema é que com o passar do tempo você nota que bons vinhos tintos  realmente precisam de tempo de evolução em garrafa, e aí mora o perigo porque quanto mais exigente o consumidor fica, mais ele quer tomar vinhos maduros,  momento em  que o vinho mostra toda  complexidade olfativa e suas sensações de boca se tornam aveludadas com um perfeito balanço entre acidez, taninos e álcool. Como fazer então?  Você tem tres alternativas: 1)  Se sua situação financeira é confortável escolha, ou peça consultoria a um bom sommeliere, o nome de alguns bons rótulos  que tenham potencial de guarda e compre uma caixa de cada. Estime quanto tempo será necessário para que o vinho atinja seu ponto correto de consumo e lá chegando comece a abrir uma garrafa por ano, acompanhe sua evolução e quando estiver no ponto não espere, convide os amigos apreciadores e curtam o vinho. Importante: se por ventura sentir que ele está começando a passar do ponto não vacile, abra a outra garrafa e se confirmar a sensação não perca mais  tempo e faça o consumo do estoque senão você irá ficar muito decepcionado, afinal você gastou bons anos guardando “a joia” e corre o risco de não receber de volta os prazeres esperados. 2) A segunda alternativa é mais fácil e menos custosa, basta escolher alguns bons rotulos e guarda-los por volta de 10 anos e correr o risco, ( normalmente é satisfação garantida para bons vinhos do velho mundo e alguns do novo mundo), claro que são vinhos para ocasiões especiais, mas pergunto quem tem condições de tomar vinhos TOP todos os dias ? 3)  A alternativa final é de relaxar e consumir os vinhos que você encontra nas importadoras, tentando sempre comprar as safras mais antigas, que são relativamente comuns de serem encontradas nas promoções anuais quando as principais importadoras fazem a limpa de seus estoques antigos, pontas de estoques, ou mesmo visando  finalizar exemplares de vinícolas que eles não querem mais trabalhar. Certamente uma alternativa sem muito risco, mais econômica, e que costuma dar certo.  Se nada disto te anima, sem problemas,  continue tomando os vinhos que estão disponíveis no mercado  mesmo que jovens e aproveite, mas tenho a impressão que o dia que você tomar um vinho maduro no ponto certo vai lembrar desta matéria.

Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário