30 de abr de 2015

Vinhos espanhois na Expovinis _ Show de bola


Nestes últimos 3 anos tenho tido o privilégio de dividir as palestras da Federacion Española del Vino com o amigo Arthur Azevedo, e nesta nova edição da Expivinis não foi diferente . O tema de minha palastra foi : Vinhos Tintos Continentais , um leque de possibilidades

A idéia foi de mesclar orígens tradicionais e muito conhecidas como é o caso da Rioja com outras menos conhecidas , como Catalayud, Castilla La Mancha, e Campo de Borja, mas nem por isto de menor qualidade, e o resultado não poderia ter sido outro, uma surpresa agradável a todos que estiveram presentes.

Vamos aos vinhos provados durante a apresentação:

  Veo Veo 2014 da Bodega Pago Casa del Blanco – IGP Vino de la tierra de Castilla - Corte de Merlot , Tempranillo e Malbec com 12,5% de álcool que custa na Europa 5 euros para o consumidor final. – Sem importador no Brasil - Um vinho fácil de beber, corpo médio, super frutado e fresco  feito para quem está iniciando suas aventuras pelo mundo de Baco

           
Garnacha Centenária 2013   Bodegas Aragonesas – DO Campo de Borja - Varietal 100% Garnacha com 14,5% de álcool , e 4 meses em barricas francesas, que custa na Europa 10 euros para o consumidor final. – Sem importador no Brasil – Uma delicia de vinho, ganhador já por dois anos seguidos como o Smart Buy da Revista Wine Expectator – Violáceo, nariz complexo trazendo frutas negras confitadas, especiarias doçes, e leve tostado. Ótimo balanço de boca, taninos prontos e final com framboesa e muita maciez.

            





      Fagus 2012 Bodegas Aragonesas  DO Campo de Borja - Varietal 100% Garnacha com 14,5% de álcool , 9 meses em barricas francesas, que custa na Europa 21 euros para o consumidor final. – Sem importador no Brasil – Este vinho tem a curiosidade de mesclar 3 safras da mesma varietal, nesta caso específico a maior parte e de vinho da safra 2012 e o restante divifido entre 2011, e 2013 e o corte descansa por 9 meses em barricas francesas novas antes de ser colocado no mercado – Rubi, alta concentração. Olfativamente fruta vermelha madura, especiarias e muitos terciários como toffe, chocolate,e baunilha mas sem se tornar enjoativo. Na boca senorio, ótima acidez,  taninos finos, corpo médio, e retrogosto confirmado o olfativo. Um vinho elegante de muito boa qualidade um dos favoritos do painel

     
  Puntido 2011 Bodegas Viñedo de Páganos  – DOCa Rioja Alavesa – Esta vinícola nao se utiliza da tradicional classificação por trmpo de envelhecimento , este vinho poderia ser um “Reserva” pelos seus 16 meses de barrica francesa - Varietal 100% Tempanillo com 14,5% de álcool que custa no Brasil R$ 409  para o consumidor final na Importadora Peninsula.- Vinho de altissima qualidade, figura carimbada em premiações como Robert Parker e  Guia Peñin -  Violáceo boa concentração . Olfativamente limpo, frutas negras azedas, mineral e leve tostado. Na boca , austero,  taninos finos ainda não totalmente prontos, corpo médio, e final de boca fresco e gastronômico. Delicioso, foi meu favorito

      




            San Vicente 2011  Bodega Señorio de San Vicente – DOCa Rioja Alta - Varietal 100% Tempanillo Peludo , com 14,5% de álcool que custa no Brasil R$ 361  para o consumidor final na Importadora Peninsula. – Mais um vinho que poderia ser rotulado como “Reserva”e também super premiado pelos menos críticos do vinho anterior, com passagem de 20 meses por barrica que tem corpo frances e tampas americanas. A Tempranillo Peludo costuma produzir vinhos mais frutados suaves e elegantes do que a tradicional Tempranillo Lampiño . – Violáceo, extra tinto ainda sem halo. No nariz, frutas negra maduras, lembrando cereja no licor, pimenta preta, floral, toque herbáceo e leve baunilha. Na boca , tripé correto , taninos finos, , sedoso, final de boca redondo e frutado.

     
Garnacha Olvidada de Aragon 2009  Bodega Vintae – DO Catalayud – Varietal 100% Garnacha , com 14,5% de álcool e10 meses de barricas francesas , que custa no Brasil R$ 198 para consumidor final na importadora Vinissimo – Um vinho de autor do enólogo Raul Acha elaborado com uvas de vinhedos velhos com 75 anos de vida. Rubi violáceo , média concentração leve halo. No nariz frutas negras, herbáceo lembrando feno, pimenta preta e delicado tostado. Boca com ótimo balanço, taninos finos ainda não totalmente prontos,bom corpo e final de boca frutado, e gastronômico. Delicioso agradou muito o público presente sendo um dos favoritos do painel.

     



      Quixote 2008  Bodega Pago Casa del Blanco – DOP Pago Casa del Blanco – Corte com 50% Merlot, 25% Tempranillo e 25% Petit Verdot vinificados separadamente, 14,5% de álcool e 13 meses de barrica francesa  com tampa americana, que custa na Europa 18 euros para o consumidor final. – Sem importador no Brasil – Vinicola relativamente nova , findada em 2002, que tem como foco o mercado internacional com rotulação bastante contemporânea e produtos voltados para tal mercado. Rubi violáceo, sem halo. Frutas vermelhas maduras, café, floral, e toque herbáceo, e mineral. Ótimo balanço de boca, taninos finos encorpado, final de boca frutado e tostado.



Gostaria de aproveitar para agradecer ao gentil convite feito pela Federacion Espñola de Vinos, Wines of Spain, ICEX e Wine Moderation pela oportunidade de mais uma vez apresentar estes delicosos vinhos espanhois. Até o próximo ano !!! Salud 

Nenhum comentário:

Postar um comentário