26 de nov de 2014

Como perfumar uma sala em tarde de contrastes


Ontem atendi a um evento denominado Porto & Douro, no Pilmann Vila Olimpia que era composto de uma feira tradicional de vinhos com mesas de importadores e produtores e de duas degustações  comentadas , uma de  Vinhos do Porto, e outra de Vinhos do Douro  organizadas pelo Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto a cargo do sempre didático Ruy Falcão. 
 Como apenas recebi  o convite para a feira da CH2a, mas não o das degustações comentadas que foram enviados diretamente pelo Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto,  fiz a inscrição no local e tive que entrar na fila de espera. A espera ocorreu  bem próximo a sala de degustação, e definitivamente  entrei em Vibe torcendo para que alguns dos convidados faltassem pois o aroma dos vinhos do Porto começaram a inebriar todos os que lá estavam pacientemente esperando para que a sala fosse liberada o que ocorreu com mais ou menos meia hora de atraso do horário que me foi informado na mesa de reserva. Também me surpreendeu a baixa presença de jornalistas especializados talvés a idéia da degustação era para atender outro publico. A apresentação foi como sempre foi extremamente profissional pois isto é o que Ruy Falcão é, que calmamente nos informava detalhes interesantes sobre os diferentes estilos de porto e dos produtores dos vinhos apresentados. 

Vamos aos vinhos apresentados:.

Quinta da Romaneira Tawny 10 anos - Cor ruby ralo, com leve halo de evolução. Olfativamente caracterizado por frutas vermelhas, toque herbáceo, nota bem delicada de figo seco. Boa acidez, delicado, macio, elegante, final de boca com  amendoa, e toque  mineral. Estilo mais fresco e frutado . Agradou bastante mas em momentos lembrava um Ruby.  Nota 88/100








 Tawny Pintas da wine and soul 10 anos - Granada , média concentração, halo presente. Frutas negras maduras, tostado,  defumado, e toque de tamara. Na boca, boa acidez, picante pontinha a de alcool, mais estruturado, mas com muita elegância, retrogosto com  frutas secas . Um vinho extremamente agradavel, facil de beber e elegante foi o que mais me agradou entre os 10 anos, teve uma caracteristica interessante de  entrar na boca com muita  intensidade , mas amaciar muito rapidamente . Nota 91/100







 RP 10 Adriano Ramos Pinto 10 anos - Ambar ralo halo. Frutas seca,s figo seco, ameixa, balsâmico, menta, e  incenso. Potente ,macio ,alcoolico mas  como o anterior amacia na boca retrogosto com  frutas  seca, e aquele  e amargor de  amendoa.  Definitivamente um clássico , uma referência do que deve ser um Tawny 10 anos Nota 91/100








Real Companhia Velha  20 anos -  Ambar, ralo , bem leve com halo. Frutas secas, floral, casca de mexerica, defumado , Na boca. elegantissimo, delicado, corpo médio , final de boca  com frutas secas e tostado .  Um classico, comprovando minha teoria que os melhores Tawnys estão sem pre entre os 20 anos . Nota 92/100









Buvas Tawny 20 anos - Laranja brilhante, com toque esverdeado,. No nariz com muita personalidade , tabaco de corda, figo seco, ameixa, canfora, e canela. Na boca, boa acidez mas nãp acentuada, picante, bom corpo, ligeiramente mais adocicado .Nunca tinha tomado vinhos deste produtor mas mostrou muita personalidade , tanto visualmente como na boca lembra um madeira . Nota 92/100







Taylors Tawny 20 anos - Laranja indo para ocre , brilhante. Frutas vermelhas,  passas, casca de laranja, tostado, e tâmaras. Na boca ,  elegante , boa acidez , corpo médio,  picante mas elegante com final de boca marcado pelas amendoas e tâmaras. Um Taylors é sempre um Taylors, sou fã. Nota 92/100








Santa Eufemia Tawny 40 anos – Ambar, ralo alaranjado. Acidez volatil, frutas secas, figos , ameixas, tÂmaras, e especiarias doces. Redondo glicerinado , picante ,  final de boca com especiarias, canela, cravo,e  pimenta e toque de ervas escuras. Belissimo porto em sua plenitude . Mota 93/100









Burmester  LBV 2009 , - Rubi violáceo, extra tinto. Olfativamente,  cereja no licor, feno , toque medicinal, e certa mineralidade. Acidez média, tânico, macio,  corpo médio para amplo, retrogosto  frutado com toque amadeirado . Um vinho ainda muito jovem onde a presença de intensos taninos prejudicam o todo . Nota 88/100  









Quinta do Crasto Vintage 2008 - Violáceo extra tinto sem  halo.  Olfativamente muito herbaceo, frutas negras, cereja, aniz. Na boca ,  boa acidez, presença de alcool mais intenso,, corpo  médio para longo, final de boca com  herbáceo bem marcado, frutas e ligeiro amargor . Nota 88/100








Duorum Vintage 2007 - Rubi violáceo, extra tinto,  acidez volatil,  frutas negras limpas, tabaco,e delicado  herbaceo. Otimo balanco de boca, taninos ainda presentes mas muito  finos ,elegante, final de boca com frutas toque ligeiramente adocicado.Grande vinho, vai ganhar ainda mais com tempo em garrafa. Nota 93/100










Após a prova fui para o salão onde a feira acontecia com o intuito de provar os outros vinhos do produtor Buvas que eu havia gostado de seu vinho durante a prova e queria fazer uma nota para a revista sobre este  novo? player, mas depois de esperar 5 minutos com mais outras 4 pacientes pessoas, enquanto a proprietaria concentrava sua atenção em apenas uma apreciador deixando os outros literalmente com a taça na mão acabei desistindo, assim como outros dois que também faziam parte do grupo da espera ( bem se eles eram de alguma  importadora a digna senhora perdeu uma boa oportunidade de colocar seu produto no mercado Brasileiro)  OBS lendo os posts de ontem a tarde percebi que o amigo Beto Duarte  do Blog Papo de Vinho também teve seus problemas com a dita senhora, mas isto você pode ler entrando em seu Blog. Mas a coisa não parou por ai  quando pedi o carro no estacionamento fui surpreendido com o custo da brincadeira R$ 35 por menos de 3 horas, certamente se morasse em São Paulo eu definitivamente usaria outro meio de transporte. Ainda bem que a alta qualidade dos bons vinhos do porto salvaram esta tarde, que eu chamaria de confusa 

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Olá Tommasi, a ausência de mais jornalistas, foi devido o a avaliação de vinhos do Chile. Neste hotel eu deixo já faz tempo na rua lateral (R$ 14,00), se te pediram R$ 35,00 eles já abaixaram muito, pois no ano passado pediam R$ 54 pelas 3 horas...Esse tem sido um dos problemas para quem não mora em SP. Gasta-se com o combustível pela distância e ainda temos que pagar estacionamento para divulgar o evento. Muitos foram convidados estavam na master, não escrevem e não irão divulgar nada neste e nos demais eventos. Tem algo errado nesta história não tem?
    Abraços,
    Camila H. Coletti
    www.enoestilo.com.br

    www.vinhoedelicias.com.br

    ResponderExcluir
  3. Pois é e o interessante e que contrataram a assessoria para ajudar nos convites mas nao deram a eles a liberdade de escolher as pessoas para o Master . Quanto ao custo do local é simplesmente absurdo, obrigado pela dica quanto ao atendimento da senhora do Buvas sem comentários . Enfim

    ResponderExcluir