11 de set de 2013

Alentejo sempre uma agradavel surpresa


Na semana passada São Paulo recebeu uma importante comitiva de produtores do Alentejo composta pelas vinícolas : Adega de Borba, Adega de Redondo, Fundação Eugênio de Almeida, Cortes de Cima, Carm Group, Herdade do Mouchão, Herdade São Miguel, J. Portugal Vinhos, Monte da Capela, Outeiro de S Romão, Paço do Conde, Paulo Laureano Vinhos, Quinta do Zambujeiro, Sogrape, Tapada do Fidalgo, e Tiago Cabaço Wines, em evento organizado pela CVRA - Comissão Vitivinicola Regional do Alentejo. No dia foram realizados  dois Master Class ficando a apresentação dos mesmos a cargo do simpático Rui Falcão com a organização geral com Maria Amélia.
Rui Falcão

Alentejo é uma região “teoricamente” jóvem na produção de vinhos e que ganhou destaque mundial por elaborar exemplares  bem fáceis de beber, bastante frutados, com acidez média, taninos doces e certa alcolicidade bem a gosto do consumidor norte americano. De certa forma este estilo se deve ao clima quente da região somado a uvas colhidas em vinhedos novos assim como de  modernas técnicas de vinificação. Entretanto se observarmos a historia dos vinhos do Alentejo veremos que esta tradicional região vitivinicola é bem mais antiga , mas foi forçada a ficar de stand by  por ocasião do regime ditatorial de Salazar que dizimou as videiras em todas as áreas produtivas substituindo-as pelo plantio de alimentos, situação esta só alterada nbos anos 1980 já com novo governo e principalmente pela forte injeção de capital da Comunidade Européia .
Mas devo dizer que rotular esta região, tomando como base um estilo que  os tornou  famosos, é no mínimo erroneo pois além de termos varios  processos de produção,e estilo diferentes de cada produtor, temos que também nos atentar as sub regiões de onde as uvas foram originadas, pois cada uma tem clima diferente o que afeta sobremaneira o estilo dos vinhos produzidos, e acho que esta degustação de vinhos comprovou isto.
O Alentejo tem hoje 8 sub regiões: Borba, Èvora, Granja Amareleja, Moura, Porto Alegre,Redondo, Reguengos, e Vidigueira.
Bem vamos agora as minhas considerações e descrição dos vinhos provados durante os dois master class que participei: Primeiramente devo dizer que a maioria dos vinhos degustados se apresentavam bem mais frescos e gastronômicos do que o esperado, mostrando a preocupação dos produtores locais em acompanhar o gosto do mercado consumidor que tem mudado nos últimos anos. Vamos a todos os vinhos e comentarios detalhados .

PRIMEIRA MASTER CLASS

1) Pera Manca Branco Fundação Eugenionde Almeida 2010 – Corte de Arinto e Antão Vaz. Dourado, brilhante. Ótima expressão aromática, frutas amarelas frescas, floral, cêra,   ervas escuras, tostado, e ligeira baunilha. Na boca, ótima acidez, seco, fresco, encorpado, tendo no  retrogosto amêndoas e frutas amarelas . Nota 89/100

2) Tapada do Fidalgo Reserva 2008 - Corte com Aragonez, Trincadeira e Alicante Bouchet. Violáceo, média concentração, sem halo. Frutado, tutti fruti,  amora, pimenta, e toque vegetal. Boa acidez, taninos presentes, bom frescor, corpo médio, ponta de álcool, final de boca frutado com ligeiro amargor. Nota 88/100
3) Cortes de cima Syrah tinto 2011- Varietal 100% Syrah. Violáceo alta concentração, sem halo. Frutas negras, austero, pimenta intensa, menta, toque ligeiramente mineral, e floral. Otima acidez, taninos finos, corpo médio, suculento, retrogosto com frutas negras, e ligeiro toque adocicado. Nota 88/100

4)Marques de Borba Reserva Tinto 2009 – Corte de Aragonez, Trincadeira, e Alicante Bouchet. - Violáceo extra tinto, sem halo. Frutas negras, grafite, cereja azeda, herbáceo, aniz, leve tabaco. Alta acidez, taninos intensos verdes, fresco, corpo medio retrogosto frutado. Vinho duro com bastante acidez, gastronômico. Nota 87/100.

5)Herdade São Miguel Reserva 2009 – Corte de Aragones, Alicante Bouchet e Cabernet Sauvignon.- Violáceo, média concentração, sem halo. Floral, frutas negras maduras, amora,menta, e café. Na boca , redondo, boa acidez, taninos vivos, corpo médio, retrogosto frutado e fresco. Nota 89/100

6) Selection Paulo Laureano 2010 – Varietal 100% Tinta Grossa - Rubi, alta concentração, leve halo. Frutas negras maduras, herbáceo, mineral. Boa acidez, taninos intensos e finos, estruturado, retrogosto frutado e mineral. Um vinho de muita personalidade quase  rústico, mas ao mesmo tempo elegante. Nota 91/100

7) Mouchão Tinto 2007 – Corte de Alicante Bouchet e Trincadeira. -  Rubi indo para granada, leve halo. Frutas negras quase maduras, especiarias, pimenta, herbaceo, e floral. Boa acidez, taninos finos, musculoso, corpo bom, retrogosto frutado com toque terroso. Um clássico da região, com estilo robusto que precisa de muito tempo em garrafa . Nota 92/100







8) Zambujeiro 2008 - Corte de Araones e Touriga Nacional. - Violáceo, extra tinto, sem halo. Frutas negras, grafite, tinta de caneta, toque de menta. Boca redonda, taninos finos encorpado, macio, muito gostoso, retrogosto frutado. Tremendo vinho dentro do estilo mais noivo mundo. Nota 90/100

SEGUNDA MASTER CLASS

1) Adega de Borba DOC Branco 2012- Corte de Antao, Vaz e Arinto, e Roupeiro. -  Palha brilhante. Cítrico, mexerica, floral. Boa acidez, corpo meio, retrogosto cítrico. Um  vinho fresco de área fria. Nota 87/100

2) Reserva ACR DOC Tinto 2009 – Corte de Aragonez, Trincadeira, e Alicante bouchet. Rubi, alta concentração, leve halo. Floral, fruta azeda,e mineral. Na boca, elegante, taninos presentes, alta acidez, corpo medio , elegante, retrogosto frutado com toque amadeirado. Nota 88/100

3) Regia Colheita Branco 2011 –Corte de  Antão Vaz, Arinto, e Perrum. - Dourado, brilhante. Abacaxi fresco, pimenta branca, defumado, ligeira tosta. Boa acidez, seco, fresco, austero, retrogosto frutado e ervas verdes  Nota 87/100

4) Herdade  da Capela Reserva 2008 – Corte de Trincadeira, Aragones e Alicante Bouchet. - Violáceo, média concentração, sem halo. Feno, fruta madura,  floral, e  ligeiro adocicado. Boa acidez, taninos presentes, ponta de alcool, retro frutado. Nota  86/100

5) Herdade das Albernoas Tinto 2011 –Corte de Aragonez, Trincadeira e Alicante Bouchet.  Violáceo, média concentração, sem halo. Cereja em compota, leve mentolado, e acerola . Na boca, alta acidez, tânico, corpo médio, retro frutado com toque amargo, ponta de alcool. Nota 86/100

6) Herdade do Peso Colheita tinto 2011 - Corte de Aragones, Alicante Bouchet, e Afrocheiro. Violáceo, alta concentração, leve halo. Olfativamente com frutas negras, baunilha, e sottobosco. Elegante, fresco,  taninos finos, corpo medio, retrogosto frutado, gastronômico. Nota 89/100








7) .Com tinto 2010 – Corte com Aragonez, Trincadeira, Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon. -  Violáceo boa concentração, sem halo, Floral, vinoso, resina, e pimenta preta. Otima acidez, taninos verdes, corpo médio, retrogosto frutado com toque tostado. Nota 88/100


CVRA – Site www.vinhosdoalentejo.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário