5 de nov de 2011

A maturidade dos Vinhos verdes


Sala Dourada da CVRVV

Na semana passada a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes veio ao Brasil com um grupo de onze produtores para uma série de eventos promocionais nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza. Tive o prazer de ser convidado para um destes que consistia de almoço e degustação no sempre delicioso “Brasil a Gosto” onde provei 10 vinhos que descreverei a seguir. Mas antes disto queria lembrar que esses vinhos antes da abertura das importações no Brasil, eram um dos poucos importados que chegavam ao Brasil , devido aos laços “familiares”entre os dois países, e que fizeram a iniciação de muitos dos hoje ditos conhecedores de vinhos do país. Quem não se lembra do Casal Garcia, do Gatão, e outros que por muito tempo povoaram nossas mesas? Me lembro, um comentário muito comum na época,”Os portugueses só nos mandam vinhos que eles não querem beber, os bons você só toma lá”. Seja lá como for  eles sempre se caracterizaram por serem leves, ácidos, e aromaticamente florais, adequados como aperitivo, e muito consumidos acompanhando bacalhau lembram?  Bem os tempos mudaram, e hoje recebemos as linhas inteiras dos destes produtores, e seus vinhos continuam tendo excelente relação custo qualidade e perfeitos para o clima tropical brasileiro. O que mais nos impressiona hoje, são alguns vinhos extremamente complexos e com capacidade de guarda, especialmente os elaborados com a com a variedade Alvarinho, que permite a produção de vinhos mais estruturados, longevos e de alta complexidade olfativa.  Viu quem espera sempre alcança !!!

Vamos aos vinhos provados e os comentários dos meus favoritos:

Adega Cooperativa Ponte de Lima Seleção Loureiro 2010 – Nota 82/100

Quinta da Neide Loureiro 2010 – Nota 81/100

Casa Mouraz Air, Loureiro,e Azal 2010- Nota 81/100

Quinta de Aveleda Alvarinho, Loureiro, e Trajadura 2010 – Nota 85/100

Quinta das Arcas, Arca Nova Alvarinho 2010 – Nota 86/100

Adega Cooperativa Regional de Monção Deu La Deu Alvarinho 2010 – Varietal 100% Alvarinho com 13% de álcool. palha verdeal, brilhante. No olfativo, já trazendo aromas minerais, cítrico lembrando grapefruit, e floral. Na boca alta acidez, boa estrutura, final de boca muito agradável com retrogosto ligeiramente amadeirado. Bastante conhecido no Brasil, trazido pela importadora Barrinhas, é um bom exemplo dos novos vinhos verdes. - Nota 87/100







Quinta da Lixa Alvarinho, Loureiro e Trajadura 2010 , com 11,5% de álcool. Palha verdeal, brilhante. Olfativamente trazendo agradável floral, notas minerais, cítrico, melão e pêra. Na boca elegante, ótima acidez, fresco, corpo médio e final de boca gostoso com ligeiro toque frutado, recomendo. Nota 87/100 – Sem importador







Quinta de Gomariz Alvarinho, Loureiro e Trajadura 2010 , com 11,5% de álcool. Palha verdeal, Olfativamente complexo, aromas cítricos, frutque pede as exóticas como maracujá, e toque de ervas aromáticas, tudo muito delicado. Na boca, ótima acidez, elegante, bem balanceado, e final de boca frutado e fresco. Um branco fascinante importado pela Decanter. Nota 88/100









Quinta de Linhares Azal 2010 – Nota 84/100

Viniverde Estreia Vinhão, Borraçal, e Espadeiro 2010 – Nota 83/100

CVRVV - Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes
A CVRVV, é um organismo inter profissional que tem por objetivo a representação dos interesses das empresas produtoras e do comércio do vinho verde e a defesa do patrimônio que constitui a sua denominação de origem - Comisão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes – Site WWW.vinhoverde.pt

Assessoria: CH2A - Fone (011) 3253 7052 -site  www.ch2a.com.br   

Nenhum comentário:

Postar um comentário