19 de set de 2011

A Zahil mostra muitas novidades e alguns tradicionais



Na semana passada a Zahil organizou especialmente para a mídia especializada de vinho uma degustação visando apresentar suas novidades a algumas de suas marcas tradicionais. Organizadas pelo Bernardo Silveira os vinhos foram divididos em cinco mesas, cada uma delas com vinhos que tivessem o mesmo peso, ou pelo menos características parecidas.

Neste post não vou comentar apenas os meus favoritos ou mais pontuados, deixarei o espaço para falar dos que mais me marcaram pelas suas personalidades ou por achar que eles valem mais do que custam, vamos a eles:



Na primeira tivemos três brancos e dois roses, e um vinho de sobremesa.



Haedus Blanc 2010. Um corte das variedades Rolle e Clairette com 13% de álcool - R$ 58,00. – Um vinho simples, mas muito bem elaborado com bom custo. Nota 83/100

Casa Ferreirinha Vinha Grande Branco 2010 – Um corte de Códega, Viosinho, Arinto e Gouveio com 13% de álcool e 3 meses de madeira. – R$ 89,00. Um dos meus produtores favoritos de Portugal com seus maravilhosos tintos. – Nota 83/100

Summit Reserva 2009 – Varietal 100% Sauvignon Blanc com 13,5% de álcool. – R$ 43,00 – Muito marcado por arruda e maracujá. Nota 79/100

HaedusRosé 2010. Um corte de Grenache, Cinsault e Cabernet com 12,5% de álcool - R$ 58,00 – Outro vinho simples mas bem elaborado. Nota 81/100

Cascai Rosé 2010. Um corte de Grenache, Cinsault e Syrah com 13% de álcool – R$ 119,00 – Nota 81/100

Venus Moscato di Sicilia 2009 – Varietal 100% Moscato com 16% de álcool – R$ 50,00 – Este foi meu destaque da mesa - Ambar, brilhante. No nariz, muito marcante por seu aroma de água de colônia que lembrou a famosa Atkinston English lavander, mel, baunilha, e flor de laranjeira. Na boca Boa acidez, redondo, macio, corpo médio e retrogosto floral com toque de mel. Um vinho marcante pelas suas características olfativas e pelo seu ótimo balanço de boca, o que me fez comprar um exemplar para minha adega. Nota 88/100







Na mesa dois provamos:

Summit 2900 Cabernet Sauvignon 2009 – 13,5 % de álcool – R$ 30,00 – Nota 77/100

Summit 2900 Cabernet Sauvignon Reserva 2010 – 14% de álcool – R$ 43,00 – Vinho honesto de bom custo benefício. Nota 81/100

Summit 2900 Carmenere Reserva 2009 – 14% de álcool – R$ 43,00 – Nota 79/100

Parinacota 2009 – Corte com 85% Syrah,e 15% de Carignan, e 14% de álcool.- R$ 99,00 – Violáceo média concentração, sem halo. Olfativamente marcante, resina, frutas vermelhas em compota, toque químico, tostado, e leve especiaria. Ótimo balanço de boca, acidez marcada, taninos finos, bom corpo e persistência e retrogosto confirmando o nariz. Im vinho chileno com característica muito elegante, gostei. – Nota 84/100



Vamos agora a mesa 3 que eu chamei a mesa das delícias:

Aquitânia Reserva Carmenere 2010 com 9 meses de madeira e 13% de álcool. R$ 50,00 – Nota 80/100

Aquitânia Reserva Syrah 2010 com 9 meses de madeira e 13% de álcool. R$ 50,00 – Nota 82/100

Sol de Sol Pinot Noir 2008 com 12 meses de madeira e 13% de álcool. R$ 156,00 – Nota 84/100

Montsecano Pinot Noir 2009 - Sem madeira e 13% de álcool. R$ 261,00 – Violáceo, média concentração, sem halo. Olfativamente complexo, feno, ervas aromáticas, mineral, floral, frutas negras maduras. Na boca, alta acidez, taninos finos, suculento, elegante, corpo e persistência média para longa e retrogosto frutado. Um vinho único, Biodinâmico, para não ser esquecido. Para muitos entre eles, eu mesmo, não tem a tipicidade do Pinot Noir, mas não deixa de ser um vinhaço, elegante gostoso de tomar. Gostei e recomendo - Nota 88/100




Alba de Domus 2007 – Corte de 60% Cabernet Sauvignon, 20% Merlot, e 20% Cabernet Franc, com 18 meses de madeira e 14,8 de álcool. R$ 109,00 – Rubi indo para granada, boa concentração, leve halo. Complexo, ameixa preta, terros, químico, terroso, ligeiro mentol. Na boca tripé correto, acidez gostosa, taninos firmes e finos, bom corpo e persistência longa, retrogosto frutado com toque de ervas aromáticas. Sou fã de carteirinha dos vinhos da Quebrada de Macul, mas nunca tinha tomado este seu vinho base, gostei tanto que também comprei garrafa para minha adega. Nota 87/100




Stella Aurea 2007 - Corte de 60% Cabernet Sauvignon, 20% Merlot, e 20% Cabernet Franc, com 18 meses de madeira e 14,9 de álcool. R$ 159,00 – Nota 88/100


Domus Aurea 2007 – Corte de 86% de Cabernet Sauvignon, 7% de Merlot, e 7% de Cabernet Franc com 18 meses de madeira e 14,9% de álcool. R$ 209,00 – Nota 90/100



Na mesa quatro provamos:

Flechas de Los Andes Gran Malbec 2008 com 14 meses de madeira e 14,5% de álcool R$ 86,00 – Nota 86/100

Flechas de Los Andes Gran Corte 2008 – Um corte de 60% Malbec, 30% Syrah e 10% Merlot, com 14 meses de madeira e 14,5% de álcool R$ 176,00 – Nota 87/100


Quinta da Leda 2007 - Corte de Touriga nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, e Tinta Roriz, com 12 meses de madeira e 14% de álcool. – R$ 199,00 – Rubi, alta concentração, sem halo Olfativamente complexo. Floral, violetas, frutas negras, ameixa e cereja, toque de ervas aromáticas lembrando manjericão, leve balsâmico, e lácteo. Na boca ótima acidez, taninos firmes, e finos, corpo médio, persistência longa, e retrogosto frutado com toque tostado. Com a Ferreirinha sempre fico satisfeito, se não tenho o o Barca Velha tomo o Reserva Ferreirinha, se não tenho este tomo o Quinta da Leda, e se não tem o Leda tomo o Esteva, e sempre fico satisfeito. Qualidade é qualidade !!!!. Nota 88/100


Reserva Ferreirinha 2003 – Corte de Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, e Tinta Cão, com 12 meses de madeira e 14,5% de álcool. – R$ 376,00 – Nota 91/100



Na mesa cinco provamos:

Finca San Marin Rioja Crianza 2008, 14 meses de madeira e 13,5% de álcool. R$ 70,00. – Nota 82/100

Finca El Otero Ribera Del Duero 2006, 12 meses de madeira e 14,5% de álcool. – R$ 391,00. Nota 87/100

Marques de Haro Rioja 2005 - Corte de 85% Tempranillo e 15% Graciano com 12 meses de madeira e 13,5% de álcool – R$ 531,00. – Rubi, alta concentração, leve halo. Olfativamente muito complexo, austero, mineral, pólvora, ameixa preta, terroso, pimenta, azeitona, ligeira evolução, tostado.Na boca alta acidez, taninos finos, corpo médio, persistência longa e retrogosto frutado com tostado. Um vinho perfeito, muito elegante confirmando a qualidade cada vez mais notada dos vinhos espanhóis da Rioja. O preço é alto mas assim é o padrão de qualidade deste vinho. Nota 90/100




Campo Alegre 2008 – Toro, 15% de álcool. – R$ 156,00– R$ 376,00- Nota 86/100

Campo Eliseo 2004 – Toro 19 meses de madeira e 15,5% de álcool - R$ 376,00. – Nota 88/100



Para finalizar fizemos uma prova de grapas

Museum Bassano Del Grappa Clássica – Elaborada com diversas variedades de uva. - R$ 120,00

Sarpa di Poli Elaborada com Merlot e Cabernet Sauvignon. – R$ 186,00

Pó di Poli Elegante – Elaborada com Pinot Noir e Pinot Branco. – R$ 216,00


Amorosa di Settembre – Elaborada com Vespaiolo – R$ 371,00 – Certamente a grapa mais macia que já tomei na minha vida, aromas florais, maça e toque leve de mel. Sem sombra de dúvidas, em minha opinião, foi a melhor disparada. Alem de deliciosa tem uma garrafa encantadora. Presente ideal para quem gosta de qualidade e requinte. Meu aniversário é dia 1 de Dezembro há há há .






Sassicaia – Elaborada com cabernet Franc e cabernet Sauvignon e 4 a 6 meses de madeira R$ 521,00

Nenhum comentário:

Postar um comentário